MPF abre inquérito para apurar ato que bloqueou trânsito na Ponte Rio-Niterói

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF) decidiu instaurar inquérito civil público para investigar possível dano à população com o fechamento hoje (10), da Ponte Rio-Niterói, parte da Rodovia BR-101. O trânsito ficou interrompido durante uma manifestação organizada, segundo o MPF, pelos integrantes do Sindicato dos Trabalhadores Empregados nas Empresas de Manutenção e Montagem Industrial do Município de Itaboraí (Sintramon), do Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Sindipetro) e empregados da empresa Alumini  Engenharia, que trabalham no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), localizado em Itaboraí, no leste fluminense.

De acordo com o MPF, a instauração do Inquérito, por meio dos procuradores da República Sérgio Luiz Pinel Dias e Ana Padilha Luciano de Oliveira, foi resultado da representação feita pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), logo após a manifestação.

O MPF informou que na avaliação da PRF, responsável pelo policiamento na Ponte Rio-Niterói, a manifestação colocou em risco a segurança da via, dos motoristas e dos próprios manifestantes. Ainda conforme o Ministério Público, o superintendente do órgão, José Roberto Gonçalves de Lima, considerou que “veículos de emergência como ambulância, bombeiros e socorristas da ponte ficaram impedidos de passar, causando transtorno e colocando em perigo a vida de várias pessoas”. Os procuradores receberam um relatório da PRF com informações sobre os envolvidos e com identificação dos ônibus que levaram os manifestantes até o local.

O protesto dos sindicalistas durou cerca de duas horas e, nesse período, o tráfego na via foi interrompido por mais de 200 manifestantes. O bloqueio provocou congestionamento em vários pontos no trânsito tanto em Niterói e como na capital fluminense e só foi liberado por volta das 14h. Mesmo com a liberação da pista, o Centro de Operações Rio (COR) ainda indicava lentidão na Avenida Brasil e na Linha Vermelha, duas das principais vias da cidade.

Para os procuradores regionais dos Direitos do Cidadão (PRDC), Ana Padilha Luciano de Oliveira e Sérgio Pinel, o direito de manifestação dos trabalhadores é totalmente legítimo, mas destacaram que o bloqueio, ainda que parcial, das rodovias federais depende de autorização prévia da PRF. “A interdição da Ponte Rio-Nitérói, gera riscos e é totalmente lesiva”, informaram destacando ainda que “é necessário apurar a responsabilidade desse ato, que pode ter violado o direito de ir e vir dos cidadãos, bem como adotar todas as medidas necessárias para reparar eventuais danos à população da capital e de Niterói”, analisaram.

Agência Brasil – Manhuaçu Notícia

Marta Aguiar

Eu, Marta Rodrigues de Aguiar nasci em: 27/08/1958, sou funcionária pública, fui a primeira presidente do Conselho de Turismo, sou escritora e acadêmica da (ACLA), Academia de Ciências Letras e Artes de Manhuaçu-MG, Possuo cursos de Organização de Eventos, Secretariado Executivo, Informática, Designer Gráfico, (CorelDraw e PhotoShop), Cursando mais uma vez Designer Gráfico na Prepara com mais duas especializações. (CorewDraw, PhotoShop, PageMaker e InDesigner). Sou Repórter e Fotógrafo, trabalhei com Devair Guimarães no Jornal das Montanhas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *