Monumento que representa Manhuaçu no cenário agrícola

Em outras cidades, logo na entrada se pode ver uma fachada dando boas vindas às pessoas que as visita, com os seguintes dizeres, por exemplo: (SEJA BEM VINDO A LAJINHA, OBRIGADO POR VISITAR NOSSA CIDADE, ou, VOLTE SEMPRE).

Pode parecer insignificante, mas ao ver essas fachadas as pessoas se sentem acolhidas.

Pena que nós aqui em Manhuaçu não temos uma fachada assim para acolhermos nossos visitantes.

Apesar de vivermos em uma cidade pólo, bem conceituada, com uma economia equilibrada, e estarmos em pleno desenvolvimento, à única coisa que temos e que diferencia nossa cidade das outras, é o monumento que representa a agricultura cafeeira na saída do trevo para Realeza, na figura de um coletor de Café.

Manhuaçu possui alguns pontos turísticos que estão passando desapercebidos, eles precisariam ser explorados para que além do café pudéssemos atrair os turistas para a cidade e aumenta o poder econômico do município.

Para isso, poder legislativo e poder executivo precisam falar a mesma língua, ter o mesmo interesse que é priorizar e investir em todos os aspectos que venha contribuir para o êxito dessa questão que são:

Em 1º lugar; pesquisar e explorar pontos que poderiam ser transformados em pontos turísticos para atrair visitantes, como:

A Usina em Ponte do Silva, cachoeiras e etc.

2º lugar; resgatar as raízes e a história do município que poderia perfeitamente ter seu Museu histórico no Centro Cultural recém-inaugurado pelo prefeito Adejair, que por sua vez passaria ser mais um ponto de visitação turística.

90% dos habitantes de Manhuaçu não conhecem a história do município, nas matérias de história das escolas de Manhuaçu, aprende-se a história do país e do mundo, mas nem uma vírgula da história da cidade.

Poema:

História de Manhuaçu

“Manhuassu” já foi terra de índio

Não se preocupe, pois não é um erro ortográfico

“Manhuassu” significa Rio Grande

Esse mesmo rio que hoje vemos deteriorado.

 

Esse nome foi dado por índio

Que a essa terra habitava

Antes do Brasil Colônia

A natureza era respeitada.

 

Em 1.500 o Brasil foi descoberto

Por Pedro Álvares Cabral

Com isso chegaram às mudanças

O que seria bem natural.

 

Com a chegada dos portugueses

Também chegaram as doenças

E a destruição do nosso país

Trazendo grandes conseguências.

 

No Manhuaçu não poderia ser diferente

E assim que os imigrantes chegaram

Tudo começou a mudar

Quando por aqui se instalaram.

 

Os imigrantes vieram na captura

Dos índios para trabalhar na lavoura

Das fazendas do Rio de Janeiro

Além da exploração de diamante e ouro.

 

Desde essa época então

O café se tornou nossa principal economia

Apesar da grande quantidade de diamante e ouro

Que o rio Manhuaçu possuía.

 

Para suprir a demanda

Dos mineradores, porém

Nas nossas matas na época

Havia outras riquezas também.

 

Riquezas medicinais, no entanto

De uso expectorante pulmonar

O ipecacuanha ou poaia também servia

Para pacientes intoxicado o vômito provocar.

 

Foram grandes as mudanças

Desde essa época para cá

Os índios desapareceram

Pois os brancos ocuparam seu habitar.

 

O tempo foi passando

E o povoado foi crescendo

Foram destruindo nossas riquezas

Sem se dar conta do que estava se perdendo.

 

Hoje o pouco que temos

A todo custo tentamos preservar

Pois Manhuaçu sempre foi e ainda é

O melhor lugar para se morar.

 

Localizado na Zona da Mata

Manhuaçu hoje é considerado

Entre todo o município

O que mais tem prosperado.

 

Enchendo de orgulho, porém

Os filhos desta cidade

Pois quem conhece reconhece

Sua hospitalidade.

 

 

Marta Aguiar

 

 

 

 

 

 

 

 

Marta Aguiar

Eu, Marta Rodrigues de Aguiar nasci em: 27/08/1958, sou funcionária pública, fui a primeira presidente do Conselho de Turismo, sou escritora e acadêmica da (ACLA), Academia de Ciências Letras e Artes de Manhuaçu-MG, Possuo cursos de Organização de Eventos, Secretariado Executivo, Informática, Designer Gráfico, (CorelDraw e PhotoShop), Cursando mais uma vez Designer Gráfico na Prepara com mais duas especializações. (CorewDraw, PhotoShop, PageMaker e InDesigner). Sou Repórter e Fotógrafo, trabalhei com Devair Guimarães no Jornal das Montanhas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *