quinta-feira, maio 16, 2024
DestaqueNacional

IF Sudeste MG obtém conceito 5 em recredenciamento no Ministério da Educação

Nota máxima em graduação presencial e nota 4 na EaD garantem que instituição está apta a seguir na oferta de cursos destas modalidades
 

O Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais terminou a última semana com boas notícias para as comunidades interna e externa. Reafirmando a qualidade da instituição no tocante ao Ensino Superior, o Ministério da Educação atribuiu o conceito institucional (CI) máximo para oferta da graduação na modalidade presencial e CI 4 para a modalidade EaD.

O processo de recredenciamento é realizado pela Secretaria de Regulação e Supervisão do Ensino Superior (SERES) e a avaliação, que resulta no CI, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e consiste na verificação do atendimento às exigências legais de funcionamento e dos indicadores de qualidade da educação superior.

Confira a seguir a nota* relativa a cada eixo avaliado.

RECREDENCIAMENTO GRADUAÇÃO PRESENCIAL

EIXO 1 – Planejamento e Avaliação Institucional: 3,2 x 0,1 = 0,32
EIXO 2 – Desenvolvimento Institucional: 5 x 0,3 = 1,5
EIXO 3 – Políticas Acadêmicas: 4,33 x 0,1 = 0,433
EIXO 4 – Políticas de Gestão: 4,63 x 0,2 = 0,925
EIXO 5 – Infraestrutura: 4,59 X 0,3 = 1,377

Conceito Final Contínuo: 4,56
Conceito Final: 5

RECREDENCIAMENTO GRADUAÇÃO EAD

EIXO 1 – Planejamento e Avaliação Institucional: 4,8 x 0,1 = 0,48
EIXO 2 – Desenvolvimento Institucional: 4 x 0,3 = 1,2
EIXO 3 – Políticas Acadêmicas: 4,25 x 0,1 = 0,425
EIXO 4 – Políticas de Gestão: 4,63 x 0,2 = 0,925
EIXO 5 – Infraestrutura: 3,94 X 0,3 = 1,182

Conceito Final Contínuo: 4,21
Conceito Final: 4

*O conceito de cada eixo é a média dos conceitos dos seus indicadores. O conceito final é a soma ponderada dos cinco, considerando os pesos de cada eixo.

Como se deu o processo

Segundo o procurador institucional do IF Sudeste MG Alexandre Botelho,  a avaliação ocorre, na verdade, em 10 dimensões: a missão e o plano de desenvolvimento institucional (PDI); a política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação e a extensão; a responsabilidade social da instituição; a comunicação com a sociedade; as políticas de pessoal; a organização e gestão da instituição; a infraestrutura física; o planejamento e a avaliação; as políticas de atendimento aos estudantes; a sustentabilidade financeira. Tais dimensões são agrupadas por afinidade nos cinco eixos apresentados acima e incluem indicadores que apresentam elementos de avaliação e os respectivos critérios para sua análise e verificação. Assim, uma comissão designada pelo MEC para tal processo analisa-os e calcula o conceito final.

Para realizar a avaliação externa virtual in loco, a comissão de avaliação utilizou aplicativos de webconferência e de mensagens, favorecendo a comunicação com o procurador institucional, que atua como ponto focal das avaliações. Alexandre explicou que essa etapa consiste em uma série de entrevistas com vários segmentos da instituição avaliada: dirigentes, técnicos administrativos, docentes, alunos, coordenadores de curso, comissão própria de avaliação (CPA); visita às unidades de forma virtual (nos processos mais recentes, foram selecionados os campi Rio Pomba e Juiz de Fora); além de verificação de documentos e informações compartilhadas pela instituição de ensino superior.

“A construção dos conceitos obtidos remete a um trabalho de toda a comunidade e das gestões atual e anteriores, passando pelos procuradores institucionais que me antecederam, atuando no desenvolvimento institucional, que deve ser o foco do nosso IF, cada vez mais consolidado pelo processo de melhoria da qualidade do nosso ensino”, detalhou o atual procurador.

Primeiro conceito desde a criação?

Os Institutos Federais são automaticamente credenciados para oferta de cursos de graduação pela lei n° 11.892/2008 (lei de criação da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica). Esse credenciamento “automático” tem validade de cinco anos. Assim, a primeira abertura obrigatória de processo para recredenciamento do IF Sudeste MG junto ao MEC para oferta de graduação presencial ocorreu em 2013. As avaliações culminaram com obtenção de conceito 3 (mínimo exigido), mas não foram finalizadas pois, segundo o atual procurador, faltaram documentos obrigatórios para o recredenciamento, o que levou a um protocolo de compromisso e perspectiva de nova avaliação.

Já processo de recredenciamento para o EaD foi aberto em 2021, pois a autorização concedida pelo MEC, datada de 2016, venceria naquele ano.  As avaliações aos quais o IF Sudeste MG foi submetido em 2023 ocorreram de forma simultânea, mas por comissões distintas designadas pelo INEP.

No caminho certo

Para o reitor André Diniz, “os resultados atingidos foram excelentes e mostram que, apesar de termos muito a evoluir, temos hoje a validação de que estamos no caminho certo.”O dirigente fez questão de agradecer “a cada estudante. A cada docente. A cada técnico administrativo. Cada coordenador de curso, cada diretor-geral, cada pró-reitor, cada diretor sistêmico, comissões, enfim, essa comunidade que merece esse resultado extraordinário.” André afirmou, ainda, que este é o momento de comemorarmos os resultados: “Parabéns para todos nós!”

At.te,


Coordenação-Geral de Comunicação Social e Marketing
IF Sudeste MG | Reitoria
(32) 3257-4166

Marta Aguiar

Eu, Marta Rodrigues de Aguiar nasci em: 27/08/1958, sou funcionária pública, fui a primeira presidente do Conselho de Turismo, sou escritora e acadêmica da (ACLA), Academia de Ciências Letras e Artes de Manhuaçu-MG, Possuo cursos de Organização de Eventos, Secretariado Executivo, Informática, Designer Gráfico, (CorelDraw e PhotoShop), Cursando mais uma vez Designer Gráfico na Prepara com mais duas especializações. (CorewDraw, PhotoShop, PageMaker e InDesigner). Sou Repórter e Fotógrafo, trabalhei com Devair Guimarães no Jornal das Montanhas.