Para que el mal triunfe sólo hace falta que el bien no haga nada

Por Alberto Sarbach

– Hola, Venezolan Estarás de acuerdo conmigo en que cuando se acabe la mercancía después de los saqueos, no habrá persona cuerda que invierta su dinero en traer nueva, ni para venderla a precios justos ni para especular con ella. Acabamos de asistir al velorio del libre comercio en Vzla. Lo que se va a traducir en escasez de TODO y quienes lo pagaremos seremos nosotros, pues no habrá NADA de lo poco que quedaba. Estamos cerca del punto en que ya no importara si tienes dinero o no, no habrá nada que comprar con el. Eso se llama Economía de Guerra y en las guerras nunca hay ganadores. Ricos y pobres llegan a morir de hambre, de enfermedad, de mengua porque no hay comida ni medicina, indiferentemente del cual sea su tendencia política. Lo que tienes en casa no durará para siempre. Quien celebre hoy el cierre de un negocio, recuerde que los dueños de ese negocio ya están a salvo en el extranjero. Estamos celebrando entonces que 300 o 400 personas como tu o como yo,quedaron sin empleo, sin prestaciones, sin pan para sus hijos. Tenemos que empezar a pensar con la cabeza. Dejar de pensar con las tripas. Nuestro país se desmorona ante nuestros ojos. Tenemos el poder de parar esto. No deseamos llegar a un caracazo. Deseamos ser escuchados. El 16 de Noviembre, sin” lideres”, sin pescadores en río revuelto, sin aprovechados, solo nosotros los ciudadanos, saldremos a la calle, sin más armas que un cartel, una bandera y esta angustia por Venezuela, a decir lo que pensamos. Te invito a acompañarnos porque medios de comunicación al servicio del ciudadano ya no hay…D.R.

TRADUÇÃO:

Para que o mal triunfe só falta que o bem não faça nada.

– Oi , Venezuela vai concordar comigo que quando você terminar as mercadorias após saques , não há nenhuma pessoa em sã consciência que investe seu dinheiro em trazer novo , ou para vender a preços justos ou para especular sobre isso. Acabamos participaram do funeral de livre comércio em Venezuela . O que vai se traduzir em escassez e aqueles que pagam vai ser nós, porque não haverá nada do que foi deixado . Estamos perto do ponto em que não importa se você tem dinheiro ou não, não haverá nada para comprar com ele. É chamado de Guerra Economia e guerras nunca são vencedores . Ricos e pobres começa a morrer de fome, a doença , o declínio , porque não há alimentos ou medicamentos , independentemente do que a sua persuasão política. O que você tem em casa não vai durar para sempre. Quem comemora hoje o fechamento de um negócio , lembre-se que os empresários já estão seguros no exterior. Estamos comemorando 300 ou 400 , então, que pessoas como você ou eu, perderam seus empregos, sem benefícios , sem comida para seus filhos. Precisamos começar a pensar com a sua cabeça . Pare de pensar com suas entranhas . Nosso país está desmoronando diante de nossos olhos . Nós temos o poder para parar com isso. Nós não queremos chegar a um Caus. Queremos ser ouvidos. A 16 de novembro , sem os “líderes “, sem a pesca em águas turvas , não exploradas , apenas a nós, cidadãos , saímos às ruas , armados com um pôster, um banner e essa ansiedade pela Venezuela , para dizer o que pensamos. Convido você a se juntar a nós,  porque os meios para servir o público e não … DR

Manhuaçu Notícia

Marta Aguiar

Eu, Marta Rodrigues de Aguiar nasci em: 27/08/1958, sou funcionária pública, fui a primeira presidente do Conselho de Turismo, sou escritora e acadêmica da (ACLA), Academia de Ciências Letras e Artes de Manhuaçu-MG, Possuo cursos de Organização de Eventos, Secretariado Executivo, Informática, Designer Gráfico, (CorelDraw e PhotoShop), Cursando mais uma vez Designer Gráfico na Prepara com mais duas especializações. (CorewDraw, PhotoShop, PageMaker e InDesigner). Sou Repórter e Fotógrafo, trabalhei com Devair Guimarães no Jornal das Montanhas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *