Turismo e cultura e valorização de talentos regional

Uma cidade sem raízes é uma cidade sem história.

Manhuaçu perdeu essas raízes quando ao decorrer do tempo foi destruindo seu maior bem, a cultura.

Hoje estão tentando resgatá-la, mas para isso terão que primeiro fazer com que o povo conheça suas próprias raízes, e isso tem que começar pelas escolas. Ensinado aos alunos a história do município que até então eles desconhece.

E mais; reconhecer a prata da casa, Manhuaçu está cheio de talentos que precisam sair e fazer sucesso lá fora para serem reconhecidos aqui. Filhos da terra que tem seus talentos menosprezados, como cartunista RICO, ZEZINHO GASOLINA e tantos outros que tiveram que buscar o reconhecimento fora.

Hoje eles chegam aqui e são recebidos com tapetes vermelhos, as pessoas deveriam se envergonhar de ter ignorado e desprezado seus talentos. Mesmo assim não tomam isso como uma lição.

Manhuaçu é uma cidade muito rica culturalmente, temos excelentes artistas plásticos, intérpretes, escritores, poetas e um grande cineasta.

Quando falamos de cineasta não precisa ser muito inteligente para saber de quem estamos falando.

Teógenes Nazaré, que contando com amigos para contracenarem seu filme Sonhos Reais, sem nem uma ajuda financeira, produziu e editou até o presente momento um sonho que realmente poderia se tornar realidade e levar Manhuaçu a um patamar invejável, mas cadê o reconhecimento por esse trabalho?

Será preciso ele ir realizar este projeto, esse sonho lá fora?

Isso não será de admirar, pois, Santo Drumot, o pai da aviação é um mineiro que foi considerado louco, mas a loucura dele foi aproveitada e reconhecida fora do país e hoje é o meio de transporte utilizado por todo o mundo.

É preciso que a sociedade, o poder publico mude essa mentalidade tacanha e passe a valorizar seus talentos e proporcionar condições para que essas pessoas cheguem ao sucesso levando junto o nome do Município.

É vergonhosa a forma que os filhos da terra cheios de dons, de talentos são tratados.

 

 

Marta Aguiar

Eu, Marta Rodrigues de Aguiar nasci em: 27/08/1958, sou funcionária pública, fui a primeira presidente do Conselho de Turismo, sou escritora e acadêmica da (ACLA), Academia de Ciências Letras e Artes de Manhuaçu-MG, Possuo cursos de Organização de Eventos, Secretariado Executivo, Informática, Designer Gráfico, (CorelDraw e PhotoShop), Cursando mais uma vez Designer Gráfico na Prepara com mais duas especializações. (CorewDraw, PhotoShop, PageMaker e InDesigner). Sou Repórter e Fotógrafo, trabalhei com Devair Guimarães no Jornal das Montanhas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.